Lições de Jonathan Scott sobre relação com cliente e criatividade

Dou-lhe 30 segundos para se rir de mim depois de lhe dizer que sou um assíduo telespectador do programa dos irmãos gémeos Drew e Jonathan Scott, «My Dream Home», que passa na Sic Mulher. Agora que parou de rir, deixe-me dizer porque todos os freelancers deveriam assistir às preciosas lições que Jonathan Scott nos ensina sobre negociação, criatividade, expectativas de resultados, relação com clientes, gestão de crises, tempo e dinheiro.

Antes de avançar, deixe-me dar-lhe uma breve sinopse do programa caso não o conheça. O programa tem como objectivo ajudar famílias a encontrar, comprar, e transformar casas degradadas nas suas casas ideais com que sempre sonharam, tendo para isso um tempo e orçamento limitado. Jonathan Scott é o empreiteiro / designer que comanda a obra.

DE FREELANCER A EMPRESÁRIO

Este programa de treino intensivo vai transformar a sua mentalidade de freelancer tecnicamente competente, a gestor do seu negócio que é tecnicamente competente para solucionar os problemas dos seus clientes. Porque trabalhar como freelancer não é só fazer o trabalho: é, também, saber gerir o seu negócio.

SABER MAIS

O que pode Jonathan Scott ensinar? Vejamos:

  • Apresente sempre um plano de trabalho e saiba comunica-lo ao cliente.
  • Não tenha medo de se apresentar como o especialista; não é preciso fazê-lo com arrogância, mas mostre ao cliente através da experiência passada que pode confiar em si.
  • Acorde com o cliente um prazo para a execução e um orçamento; sempre que o cliente pede ao Jonathan trabalho extra, ele não tem medo de dizer que o prazo não será cumprido e que custará mais dinheiro.
  • Por falar em dinheiro, Jonathan Scott orçamenta os seus projectos deixando espaço para um plano de contingência para os imprevistos que surgirão; esta pode e deve ser uma boa prática, pois ajuda a garantir que não há prejuízo no projecto e não se está sempre a pedir mais dinheiro ao cliente.
  • Jonathan Scott não adia as más notícias nem aflora o discurso quando tem de entregar um problema. Quando algo na casa não está bem, ele chama os clientes, comunica o problema de modo factual, quanto vai custar e o prazo de execução. Mas ele não se limita da passar o problema para o cliente, apresenta sempre a solução. Uma lição para todos nós, que muitas vezes temos medo da reacção do cliente a uma má notícia, mas a verdade é que a confiança não fica abalada quando se age com transparência – o contrário acontece sempre.
  • Jonathan Scott reage à crítica, dúvida e desilusão do cliente defendendo o seu trabalho com atitude e humildade, e nunca com teimosia. Defender o trabalho com atitude é explicar ao cliente que apresentou a melhor solução que foi capaz de produzir perante os dados recolhidos; com humildade é dar ao cliente a hipótese de avaliar a solução perante outros ângulos e com outros dados adicionais; defender com teimosia é dizer ao cliente que não há outra solução – e na vida e nos negócios são muito poucas as situações em que não há soluções alternativas.
  • Ensina-nos ainda o que é saber gerir um orçamento com extremo cuidado; todas as decisões são tomadas tendo em conta o orçamento acordado. Uma lição para clientes e prestadores de serviços. Sem existir um acordo prévio quanto ao orçamento, o projecto vai sempre ser executado com desconfiança e de forma muito pouco produtiva. Explico, é que muitas vezes os clientes não querem relevar o valor que estão dispostos a pagar, o que faz com que os criativos produzam trabalho para o lixo, pois saí do orçamento disponível; se o cliente disser que tem X para gastar, o criativo tem duas respostas possíveis: vai a jogo e desenvolve a criatividade ajustada ao orçamento e objectivos do cliente ou rejeita o projecto. Por isso criativos, insistam com os vossos clientes para eles apresentarem quanto dinheiro têm disponível.
  • Por fim, Jonathan Scott sabe que o propósito máximo do seu trabalho é o bem-estar do cliente que irá habitar aquela casa; o mesmo se deveria aplicar a nós criativos: não trabalhamos para agradar a nós mesmos, trabalhamos para o bem maior que é o projecto e o seu objectivo. O projecto não nos pertence. Ele pertence a quem se destina.

Pedro Miguel Martins

Ainda na Faculdade, há mais de 15 anos, já trabalhava como freelancer. Pelas minhas mãos já passaram projectos de marcas tão conhecidas como a RFM, Rádio Renascença, Águas da Figueira, Nova School of Business & Economics ou Cepsa, mas também de outros clientes mais pequenos. Vejo a criatividade, o compromisso e a confiança como os pilares de qualquer projecto de qualidade: foi com base nestes princípios que vinguei como freelancer.

Aceite o convite e subscreva a minha newsletter de conteúdos exclusivos.

SEM SPAM OU QUALQUER TIPO DE PUBLICIDADE

Continue a ler

Vamos entrar num novo confinamento…

Trabalhar em casa, sozinho, não faz de mim um eremita ou um monge enclausurado. Gostar de trabalhar em silencio não significa não me sentir inspirado pelo murmurinho das pessoas que me rodeiam.

Um texto com algum azedume

De facto, não é fácil ganhar dinheiro como trabalhador independente, tendo em conta todas as obrigações fiscais.

Estados d’alma de um freelancer.

A Alanis Morissette conhece-os como ninguém!

Experiência ou Resultados?

Resultados! Esse deveria ser o motivo para a contratação de alguém, pois anos de experiência não significa melhor trabalho ou desempenho. Com facilidade nos lembramos de pessoas com muito anos de…

Eu não posso agradar a todos os clientes!

Um freelancer não pode agradar a todos os clientes. Tem de ter uma visão clara do tipo de projectos que deseja realizar e o género de clientes com quem deseja trabalhar.

Educação. Um investimento contínuo.

A nossa educação requer um investimento contínuo, inclusive e especialmente na idade adulta. Não deixe de investir na sua educação e formação, seja ela pessoal ou profissional.