Fazer o contrário àquilo que acreditamos

Em 2016 decidi criar um protocolo para conhecer e aceitar novos clientes. No passado era capaz de aceitar um projecto ao fim de um telefonema, mesmo não conhecendo todos os detalhes nem a personalidade do cliente, o que trouxe, em muitos casos dissabores na forma como esses trabalhos terminaram.

Depois de alguma reflexão, entendi que deveria ser mais cuidadoso e criar um procedimento que permitisse de antemão conhecer o projecto e os seus objectivos, assim como o cliente e as suas expectativas em relação a mim. Para isso, qualquer novo cliente que me contacte recebe um documento que me apresenta, explica o tipo de trabalho que estou disponível para realizar, os trabalhos que fiz no passado, e, muito importante, o tipo de projecto e cliente com que estou disponível para colaborar. Se esse cliente achar que sou a pessoa indicada e desejar trabalhar comigo, então é convidado a preencher um questionário onde procuro extrair o máximo de informação sobre o projecto.

Este procedimento tem produzido dois resultados. O primeiro é que muitos dos interessados desistem depois de receberem o documento. Provavelmente, pela informação que disponibilizo concluem que não serei a pessoa certa para o trabalho. Os clientes que preenchem o questionário em várias circunstâncias são rejeitados por mim, pois não tenho interesse no projecto que apresentam, seja pelo tema, pelo orçamento disponível ou pelo tipo de serviço que desejam de mim.

Assim, com esta postura o número de trabalhos que aceito é substancialmente menor, o que não significa que me esteja a queixar, pois os que realizo trazem-me maior satisfação.

Mas há dias em que me sinto George Costanza, o personagem da popular série cómica dos anos 90, em que desejo fazer precisamente o contrário daquilo que estabeleci, na esperança de alcançar algo de bom.

Ora, esta introdução vai longa e ainda não entrei no verdadeiro assunto deste texto. Mas fique comigo até ao fim, não desista já.

Na semana passada recebi um contacto para um projecto de um novo cliente. Depois de ele ler o documento sobre a minha forma de trabalhar, decidiu enviar-me uma mensagem a pedir um encontro comigo, pois tinha grande interesse em apresentar-me o seu projecto pessoalmente. Ora, se eu tivesse seguido as regras que eu próprio estabeleci, teria insistido que primeiro preenchesse o questionário e depois agendássemos a reunião, o que teria poupado a ambos a situação constrangedora que experienciamos.

Quando confrontado com o tema do projecto, percebi que tinha de enterrar bem fundo o meu George Costanza interior e não fazer o oposto ao que acredito, mesmo que tentado com a oferta de bons honorários.

A situação revelou-se desconfortável para ambas as partes: por um lado estava o pedido de um trabalho ao qual me sentia perfeitamente capaz de desenvolver com sucesso; por outro, o cliente não entendia a razão pela qual estava a rejeitar um projecto bem pago.

Não vou relevar o projecto, pois comprometi-me a isso, mas há temas e pessoas para os quais todo o dinheiro do mundo não chega para eu me envolver. Por exemplo, nunca colaboraria num projecto ligado a temas xenófobos, preconceituosos, pornográficos; ou ligados a pessoas pouco recomendáveis, como burlões, espíritas, videntes, vendedores de banha da cobra; projectos assumidamente ilegais ou cuja legalidade fosse duvidosa; ou, por fim, com partidos ou políticos pouco aconselháveis.

DE FREELANCER A EMPRESÁRIO

Este programa de treino intensivo vai transformar a sua mentalidade de freelancer tecnicamente competente, a gestor do seu negócio que é tecnicamente competente para solucionar os problemas dos seus clientes. Porque trabalhar como freelancer não é só fazer o trabalho: é, também, saber gerir o seu negócio.

SABER MAIS

É verdade que a minha profissão permite-me fazer estas escolhas. Se fosse médico, no consultório ou na mesa de operações trataria todos por igual. Mas, na minha profissão posso dar-me ao luxo de me relacionar com quem desejo.

Depois de alguma insistência por parte daqueles clientes, revelei as razões pelas quais não poderia aceitar aquele projecto, pois fazê-lo era ir contra àquilo que acredito.

Acreditar no que estou a fazer

É necessária convicção para se fazer algo bem feito. Isto é, não basta perícia técnica ou execução perfeita, é a convicção que tornará o resultado e a experiência memorável. Quero ser claro neste ponto: eu não tenho de gostar do que estou a fazer, o que tenho é de acreditar que aquilo que estou a criar é bom (e vou cingir “bom” aos atributos de útil, positivo, que tem qualidade ou merece aprovação). Por exemplo: posso ser um limpador de esgotos. É difícil encontrar alguém que afirme que essa é uma profissão de sonho. Mas é fácil acreditar que o resultado desse trabalho é bom.

Sentir orgulho no trabalho realizado

De que vale terminar um projecto, até ser bem pago, se o resultado não me orgulha? E pode não ser o resultado só por si, pode ser toda a jornada, desde a interacção com as pessoas relacionadas com o projecto, ao processo e condições de trabalho, aos métodos utilizados para se alcançar um resultado, etc. Ou seja, sentirmo-nos orgulhosos de um trabalho é muito mais do que o dinheiro em causa. É sentir que fizemos a diferença.

Desejar mostrá-lo a quem quer que seja sem me sentir melindrado

Não sei como se sentirão aqueles profissionais que assinam cláusulas de confidencialidade que os impede de divulgar o trabalho produzido. Mas, aposto, que alguém que faz um trabalho que o envergonhe deve sentir-se bem pior. É que para mim não há pior sentimento que não assinar um projecto porque não quero que me manche o portfólio. Quem trabalha como criativo, compreende bem este sentimento. E não é só a questão do resultado da criatividade, é muitas vezes o tema, pois, quer queiramos quer não, acabamos por ficar associados a ele.

Poder falar desse trabalho aos meus filhos

Há profissionais cujos trabalhos não podem ser falados à mesa do jantar, por questões de segurança ou confidencialidade. Acredito que isso gere desconforto para todos os membros da família. Mas não é o meu caso. Eu não quero sentir qualquer mal-estar por falar de um projecto que desenvolvi ou ter de viver em segredo. Não combina comigo. Por isso, todo e qualquer projecto que não possa mostrar aos meus filhos, é para ser declinado.

Fazer o contrário ao que se acredita só resultou para o George Costanza!

Pedro Miguel Martins

Ainda na Faculdade, há mais de 15 anos, já trabalhava como freelancer. Pelas minhas mãos já passaram projectos de marcas tão conhecidas como a RFM, Rádio Renascença, Águas da Figueira, Nova School of Business & Economics ou Cepsa, mas também de outros clientes mais pequenos. Vejo a criatividade, o compromisso e a confiança como os pilares de qualquer projecto de qualidade: foi com base nestes princípios que vinguei como freelancer.

Aceite o convite e subscreva a minha newsletter de conteúdos exclusivos.

SEM SPAM OU QUALQUER TIPO DE PUBLICIDADE

Continue a ler

Vamos entrar num novo confinamento…

Trabalhar em casa, sozinho, não faz de mim um eremita ou um monge enclausurado. Gostar de trabalhar em silencio não significa não me sentir inspirado pelo murmurinho das pessoas que me rodeiam.

Um texto com algum azedume

De facto, não é fácil ganhar dinheiro como trabalhador independente, tendo em conta todas as obrigações fiscais.

Estados d’alma de um freelancer.

A Alanis Morissette conhece-os como ninguém!

Experiência ou Resultados?

Resultados! Esse deveria ser o motivo para a contratação de alguém, pois anos de experiência não significa melhor trabalho ou desempenho. Com facilidade nos lembramos de pessoas com muito anos de…

Eu não posso agradar a todos os clientes!

Um freelancer não pode agradar a todos os clientes. Tem de ter uma visão clara do tipo de projectos que deseja realizar e o género de clientes com quem deseja trabalhar.

Educação. Um investimento contínuo.

A nossa educação requer um investimento contínuo, inclusive e especialmente na idade adulta. Não deixe de investir na sua educação e formação, seja ela pessoal ou profissional.