Esqueça a paixão e concentre-se nas dores

Mike Rowe ficou conhecido por ser o destemido apresentador do programa de televisão chamado Dirty Jobs. A premissa do programa é bastante simples: em cada episódio, Mike trabalha com homens e mulheres que realizam trabalhos perigosos e repugnantes que ninguém gosta de fazer.

Mike Rowe explica porque nunca devemos seguir a nossa paixão, mas sim, aplicar paixão nas tarefas que nos dedicamos, em todo o momento, mesmo quando não temos vontade disso. Assim, esteja a braços com um trabalho sujo como limpar um esgoto ou com um trabalho glamoroso sentado numa luxuosa e confortável cadeira, será capaz de desafiar-se a fazer um excelente trabalho, com compromisso, com dedicação e assim, alcançar o sucesso no seu negócio.

«Muitas das pessoas que vemos no programa acabaram por trabalhar em algo que não era de modo algum o cumprimento de um desejo de vida ou de carreira», afirma o apresentador, acrescentando que «eles identificaram a oportunidade, especializaram-se, tornaram-se os melhores e indispensáveis, e depois aprenderam a gostar da sua profissão.»

Então, se o caminho não passa por encontrarmos a nossa paixão, qual devemos seguir? A dor! Sim, o caminho da dor. Os empreendedores de sucesso não estabeleceram os seus negócios com base na sua paixão, mas antes, criaram os fundamentos dos seus negócios em cima das suas dores e frustrações.

DE FREELANCER A EMPRESÁRIO

Este programa de treino intensivo vai transformar a sua mentalidade de freelancer tecnicamente competente, a gestor do seu negócio que é tecnicamente competente para solucionar os problemas dos seus clientes. Porque trabalhar como freelancer não é só fazer o trabalho: é, também, saber gerir o seu negócio.

SABER MAIS

Um exemplo fácil é o da Uber. A Uber faz precisamente aquilo que um serviço de transporte é suposto fazer: levar-nos do ponto A ao B. Mas, de onde vem o sucesso deste serviço? É que ele permite chamar um veículo sem saber a rua onde estou. Permite que eu saiba quanto tempo demorará a viagem. Permite-me pagar sem ter dinheiro. Mas especialmente, permite-me avaliar a qualidade do serviço.

Mas, vou dar outro exemplo: a Handy.

Handy, anteriormente conhecida como Handybook, foi fundada em 2012 como uma solução prática para um problema antigo: encontrar profissionais confiáveis e eficazes para serviços domésticos de limpeza e trabalhos manuais de canalização, electricidade e outros. Foi fundada por Oisin Hanrahan, que fez carreira como promotor imobiliário. Para ele era frustrante e penoso encontrar profissionais qualificados para executar trabalhos de renovação e manutenção das casas que adquiria. Não havia uma maneira fácil. Porém, anos mais tarde, enquanto frequentava a Harvard Business School, Oisin Hanrahan conheceu Umang Dua, e juntos fundaram a Handy, com o objectivo de proporcionar de modo fácil, conveniente e confiável, todo o tipo de serviços domésticos.

«Empresas de sucesso são cultivadas por empresários que reconheceram uma necessidade e fornecem uma solução que resolve a dor de outros. Ao reconhecer uma dor, tem a oportunidade de ser a primeira pessoa a fornecer uma solução ao mercado», afirmou James F. Grebey, no seu livro «The Determined Entrepreneur».

Dores! Dores são nada mais nada menos que os desafios que empresas e prestadores de serviços devem estar atentos para resolverem e garantirem a satisfação dos consumidores e clientes.

Melhor do que procurar seguir as suas paixões e o que gosta de fazer, é mais proveitoso encontrar o que frustra e causa dor nos seus clientes. Mas como fazê-lo?

1. Esteja ao serviço dos outros

Empreendedores bem-sucedidos desenvolvem produtos e serviços indispensáveis, que resolvem problemas e fazem a vida melhor para os consumidores. Note, que esses empreendedores não fazem o que querem ou que os apaixona, mas, em vez disso, trabalham para resolver um problema concreto, dando aos consumidores o que eles há muito desejavam. E, além disso, fazem-no melhor do que a concorrência.

2. Encontre novas dores

É engraçado, mas sempre que a Apple lança um novo produto – que afirma que é o último grito da tecnologia e inovação – abre a porta a que outras empresas venham criar acessórios para esse mesmo produto. Exemplo disso foi a opção de não incluir a tradicional entrada de Jack para auscultadores no iPhone 7. Graças a esta opção, só a Amazon lista mais de 5000 adaptadores de auscultadores.

3. Ofereça uma solução inovadora

Empreendedores que desejam lançar um novo produto ou serviço no mercado, devem garantir que a solução que propõem para resolver um problema particular é inovadora e original. Mudar velhos hábitos dos consumidores é uma luta severa e de vitória difícil. Se deseja mudar paradigmas então os consumidores devem ser atraídos por algo que eles consideram que irá melhorar o seu status quo.

4. Determine a intensidade da dor

Antes de começar a construir o seu produto ou serviço, pergunte-se: quão intensa é a dor que procuro tratar? A resposta a esta pergunta irá determinar o quanto os seus clientes estarão dispostos a pagar pela solução que propõe.
Por isso, é necessário auscultar em permanência os seus clientes e público-alvo, tal qual o farmacêutico ausculta o paciente determinando se o medicamento está a produzir o efeito desejado.

Freelancers que se concentram em resolver os problemas de outros poderão aplicar paixão nessa tarefa e serem bem sucedidos.

Pedro Miguel Martins

Ainda na Faculdade, há mais de 15 anos, já trabalhava como freelancer. Pelas minhas mãos já passaram projectos de marcas tão conhecidas como a RFM, Rádio Renascença, Águas da Figueira, Nova School of Business & Economics ou Cepsa, mas também de outros clientes mais pequenos. Vejo a criatividade, o compromisso e a confiança como os pilares de qualquer projecto de qualidade: foi com base nestes princípios que vinguei como freelancer.

Aceite o convite e subscreva a minha newsletter de conteúdos exclusivos.

SEM SPAM OU QUALQUER TIPO DE PUBLICIDADE

Continue a ler

Vamos entrar num novo confinamento…

Trabalhar em casa, sozinho, não faz de mim um eremita ou um monge enclausurado. Gostar de trabalhar em silencio não significa não me sentir inspirado pelo murmurinho das pessoas que me rodeiam.

Um texto com algum azedume

De facto, não é fácil ganhar dinheiro como trabalhador independente, tendo em conta todas as obrigações fiscais.

Estados d’alma de um freelancer.

A Alanis Morissette conhece-os como ninguém!

Experiência ou Resultados?

Resultados! Esse deveria ser o motivo para a contratação de alguém, pois anos de experiência não significa melhor trabalho ou desempenho. Com facilidade nos lembramos de pessoas com muito anos de…

Eu não posso agradar a todos os clientes!

Um freelancer não pode agradar a todos os clientes. Tem de ter uma visão clara do tipo de projectos que deseja realizar e o género de clientes com quem deseja trabalhar.

Educação. Um investimento contínuo.

A nossa educação requer um investimento contínuo, inclusive e especialmente na idade adulta. Não deixe de investir na sua educação e formação, seja ela pessoal ou profissional.