fbpx
Avançar para o conteúdo

UM GUIA PRÁTICO PARA

Começares a trabalhar como freelancer

Pedro Miguel Martins

Se trabalhar como freelancer é o teu objetivo, então estás no local certo! Vem aprender a tornar o teu trabalho como freelancer num negócio de sucesso, sustentável e recompensador.

Mais do que um executor de tarefas a viver de projetos mal pagos, torna-te num profissional bem pago, apreciado pelos teus clientes e que ao mesmo tempo sabe gerir um negócio: o teu! Neste livro que escrevi para ti ensino a conseguires tudo isto!

DOIS TIPOS DE FREELANCER

FREELANCER PREPARADO

FREELANCER

Para seres um freelancer bem-sucedido tens de estar preparado!

Uma carreira como freelancer pode ser libertadora e permitir maiores rendimentos. Porém, é cheia de incertezas, dificuldades e sacrifícios. Não são poucos os profissionais que tentam trabalhar como freelancers, mas acabam por desistir ao fim de algum tempo por falta de preparação.

Este livro vai criar em ti a mentalidade certa para te tornares num freelancer capaz de gerir o seu trabalho como um negócio, solucionar os problemas dos seus clientes e ser reconhecido por isso.

Sem teorias positivistas, promessas vazias ou discurso de autoajuda. O que receberás é uma visão clara sobre o quão difícil é trabalhar por conta-própria, que riscos acarreta, quais os desafios, mas sobretudo como seres bem-sucedido e prosperares no teu negócio, ao aumentar significativamente os teus ganhos numa relação de igual para igual com os teus clientes.

Deixarás de lado a ideia generalizada de que um freelancer bem-sucedido tem de ser o profissional mais criativo, competente, talentoso e popular no mercado. Pelo contrário, para seres um freelancer bem-sucedidos tens é de estar preparado!

 
 
 

O QUE IRÁS APRENDER

1

Organizares o teu trabalho / serviço num negócio eficaz, produtivo e rentável

2

Promoveres o teu trabalho e serviços, mostrando os teus melhores projetos para conquistares os clientes que desejas

 
 

3

Angariares os melhores clientes, educando-os numa relação que se quer saudável e lucrativa para ambas as partes

4

Estabeleceres os teus honorários, cobrando o trabalho pelo valor acrescentado e não pelas horas trabalhadas

5

A negociar âmbito de projeto através de um modelo de briefing eficaz

 

6

Receber feedback do teu trabalho evitando revisões infinitas de projecto

 

A QUEM SE DESTINA

Este guia prático é dirigido a todos os profissionais de áreas como design, fotografia, ilustração, desenvolvimento de aplicações, websites ou software, escrita de conteúdos e outras atividades criativas.

Para quem quer começar como freelancer, este é o livro que necessita para construir um negócio rentável, seguro e ajustado ao seu estilo de vida.

👋 Olá, sou o Pedro Martins

Ainda na Faculdade, há quase 20 anos, já trabalhava como freelancer. E por isso, naturalmente, quando terminei o meu curso superior de Design pensava que sabia o suficiente para continuar a trabalhar por conta própria. Afinal, tinha adquirido todas as competências técnicas para exercer bem a minha profissão. Esse foi o meu pior erro: julgar que ser competente tecnicamente é o suficiente para trabalhar por conta própria, esquecendo que realizar o trabalho é apenas uma ínfima parte das obrigações de um freelancer.

Pelas minhas mãos já passaram projetos de marcas tão conhecidas como a RFM, Rádio Renascença, Cascais PróximaÁguas da Figueira, Nova School of Business & Economics ou Cepsa, mas também de outros clientes mais pequenos.

Foi baseado na minha experiência profissional que escrevi este guia prático para «Começares a trabalhar como freelancer». Porque conheço o lado bom e mau de trabalhar por conta própria é que decidi partilhar que o aprendi, por experiência própria, sobre ser freelancer, de forma autêntica, honesta e sem promessas vazias.

Estou absolutamente convencido que com este livro serás capaz de tornar o teu trabalho num negócio lucrativo, ao lado de clientes que te respeitam e valorizam.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
Pedro Miguel Martins

OS CONTEÚDOS

Direto ao assunto. Direto à mente!

  1. O que é um freelancer?
    Quando anunciamos ao mundo que vamos trabalhar por conta-própria as reações são quase sempre de grande regozijo e otimismo. Será a vida de freelancer assim tão glamorosa como habitualmente é retratada nos filmes ou em séries de televisão?
  2. Estás preparado para trabalhar como freelancer
    São muitas as pessoas que imaginam que um freelancer é alguém que acorda tarde, trabalha em casa de roupa interior e de barba por fazer, está constantemente em férias, que passa o tempo nas esplanadas, que resolve tudo por telefone e que ganha muito dinheiro com pouco esforço. Esta descrição está muito longe da realidade!
    Há vantagens em trabalhar como freelancer. Porém, a vida de freelancer situa-se entre as melhores fantasias e os piores pesadelos que as pessoas em geral têm.
  3. Para começares
    O que é necessário para começares a tua jornada como freelancer? Um diploma da melhor universidade ou uma formação técnica altamente especializada? Uma mesa do IKEA ou uma secretária feita à medida? Um escritório estiloso na melhor avenida da cidade ou uma simples mesa num qualquer cowork? Na verdade, nenhum destes artigos é obrigatório para começar, mas sim o desejo de trabalhar e a habilidade para o fazer. Se sentes que já tens isso e queres começar de imediato, calma, recomendo que tires primeiro um tempo para preparar tudo convenientemente.
  4. Aprende a promover os teus serviços
    Muitos freelancers não querem sequer ouvir falar da palavra autopromoção e sentem até uma certa repulsa em pensar anunciar ao mundo «aqui estou, contratem-me!». Mas não tem de ser assim. Se sabes prestar um serviço que outras pessoas precisam – e às vezes desesperadamente – então não te promoveres é estar, de certo modo, a prejudicar essas pessoas. Haverá alguma forma eficaz de autopromoção?
  5. O que podes fazer enquanto não conquistas os primeiros clientes?
    Se há coisa fantástica que esta profissão permite é que não precisas de clientes ou projetos reais para mostrares trabalho. A criatividade e força de vontade são o motor para trabalhar, mesmo sem compromisso. E esse empenho e atitude é importantíssimo para qualquer freelancer. O freelancer não pode ficar parado. Até porque não precisa ficar parado!
  6. Constrói e cuida da tua reputação
    A reputação de um freelancer é talvez o seu bem mais precioso. Não é o facto de ter grandes ideias ou ser tecnicamente muito bom. Se for apenas isso, mas não um profissional que sabe cuidar dos clientes ou cumprir prazos, então, não conseguirá singrar no mercado. Assim, cabe a cada freelancer saber construir a uma boa reputação ao longo da sua carreira profissional, pois uma boa imagem perante os outros gera confiança e cria oportunidades.
  7. Como sobreviver mentalmente à vida de freelancer
    Nos altos e baixos da vida de freelancer, como sobreviver sem ter um esgotamento nervoso? Como podemos utilizar os ganhos passados em favor de um futuro imprevisível? O futuro pode ser incerto, mas com a atitude certa podemos encará-lo sem medo.
 
 
 
 
 
 
  1. Encontrar os primeiros clientes
    Clientes! Todos precisamos deles! E encontrá-los é uma verdadeira prova de sobrevivência. Temnsnoção de quanto esforço é necessário investir para atrair um novo cliente? Alguns estudos afirmam que é necessário 5x mais investimento para ganhar um novo cliente do que manter um atual? 5x mais?! É um esforço imenso para no grande oceano dos clientes, pescar apenas 1. E às vezes do tamanho de uma minúscula sardinha que mal enche uma lata de conserva! Vamos à pesca?
  2. A relação cliente / freelancer
    A relação cliente-freelancer nem sempre é simples. É uma dança com uma coreografia complexa e na qual temos de estar sempre atentos para não pisarmos os pés um do outro! Não poucas vezes quando conhecemos um novo cliente e o projeto que nos apresenta e ficamos como que apaixonados e super-motivados, como numa lua-de-mel! Mas a verdade é que a lua pode desaparecer e o mel tornar-se em fel!
  3. Comunicar com o cliente
    Nos dias de hoje sofremos de um mal que é termos demasiados meios de comunicação, como e-mail, mensagens escritas, telefone, videoconferências, reuniões pessoais, etc. Parece que na vontade de facilitar a comunicação vamos aderindo a infinitas plataformas e meios que no final se tornam um pesadelo de gerir. Cabe a ti garantir que todos se entendem e que nenhuma informação importante fique esquecida ou incompreendida.
  4. “Despedir” um cliente
    Vamos dizê-lo sem medo: o cliente não tem sempre razão! E em muitas circunstâncias é preferível libertares-te de um cliente do que continuar a alimentar uma relação que não trará nada de positivo. Se fizeste o teu melhor para ir de encontro às exigências e expectativas do cliente e ainda assim ele não está satisfeito, então é melhor desembaraçares-te dele. Os teus limitados recursos serão mais bem empregues se os dedicares aos clientes que estão dispostos a trabalhar contigo numa base razoável de diálogo e compreensão.
 
 
 
 
 
  1. Princípios de negociação
    A negociação é uma realidade do dia-a-dia. Tanto negoceias em casa sobre quem faz o jantar como negoceias com o cliente o prazo de entrega do trabalho. A negociação é o meio por excelência para obter o que quer dos outros. É uma comunicação recíproca para chegar a acordo quando tem interesses em comum, ou até opostos. Apesar de estarmos permanentemente a negociar, nem sempre o fazemos bem. Habitualmente as estratégias normais de negociação deixam as pessoas insatisfeitas, exaustas ou indiferentes ― ou até as três ao mesmo tempo.
  2. Elaborar um briefing
    briefing é um conjunto de informações que o cliente deve reunir, com o objetivo de desenvolver um novo produto ou serviço ou encontrar uma solução a um problema. Este documento servirá para informar todos os intervenientes – cliente e freelancer – sobre o propósito daquele trabalho: qual o problema a ser resolvido, os objetivos a alcançar e outros aspetos a ter em conta – por exemplo, orçamento, tecnologia ou impedimentos legais.
  3. Proposta comercial
    Quem presta serviços por conta própria sabe bem quão importante — e, muitas vezes, decisivo — é apresentar aos clientes uma adequada proposta comercial. Por isso, é importante investires tempo na construção de propostas de prestação de serviços que sejam certeiras ou, em último caso, que não fechem as portas a futuras negociações.
  4. Implementar um protocolo de feedback
    Este é provavelmente um dos temas mais difíceis de lidar por todas os profissionais. Afinal, ninguém gosta de ver o seu trabalho criticado, especialmente quando são utilizadas apreciações absolutamente subjetivas. Mas sessões de crítica a propostas criativas – e não só! – é algo com que todo o freelancer tem de lidar diariamente – o freelancer apresenta o trabalho ao cliente, escuta os comentários dele, e se tudo correr bem como se deseja, aprende-se com o feedback.
 
 
 
 
 
  1. A diferença entre preço e valor
    Falar de dinheiro é sempre um tema difícil, especialmente na cultura portuguesa e dá sempre azo a acaloradas discussões de ideologia política entre os que defendem um mercado livre e os que defendem um mercado regulado. Temos a tendência de confundir Preço e Valor, pois há partida parecem ser conceitos parecidos, mas não significam a mesma coisa.
  2. Honorários: quanto e como cobrar
    Este é talvez o tema que levante mais dúvidas aos freelancers que estão a começar. E até aos que já são freelancers com experiência. De facto, parece que não há nenhum modelo perfeito para estabelecer o valor de um serviço que muitas vezes não é fácil de valorizar, qualificar ou quantificar, porque os honorários de um freelancer são subjetivos: um valor baixo para mim pode ser o contrário para ti.
    A maior parte dos profissionais são excelentes no que fazem: são talentosos, criativos, inteligentes e capazes de apresentar boas soluções. Se é o teu caso, então sabe cobrar-te de acordo e não pelo que achas que o cliente está disposto a pagar.
  3. Criar um plano de negócios
    Um plano de negócios é um documento que descreve quais os objetivos principais de um negócio e quais os passos que devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo assim os riscos e as incertezas. O plano de negócios deve ser desenvolvido antes de iniciar-se como profissional independente, e deve ser encarado como uma ferramenta de análise e de estudo ao negócio que pretende desenvolver.
  4. Abrir atividade: burocracia a tratar
    Abrir atividade nas finanças é um dos primeiros passos a dar para começares a trabalhar como freelancer e, para tal, é obrigatório informares a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).
  5. Dificuldades financeiras. O que fazer?
    Quem trabalha como freelancer sabe bem que a máxima «ganhos passados não garantem ganhos futuros» se lhe aplica bem. Isto é, o fluxo de trabalho e a consequente estabilidade financeira são duas das maiores preocupações e dificuldades. Se, por momentos, podemos estar assoberbados de trabalho ou com a agenda preenchida de contactos com clientes, noutros momentos tal não acontece. Se a isto aliarmos o atraso dos pagamentos de alguns clientes, temos a receita ideal para enfrentar dificuldades financeiras.
  6. O contracto de prestação de serviços
    Um modelo de contracto é algo que todos os freelancers devem colocar como regra na prestação de serviços com seus clientes. É bom para ambas as partes pois baliza expectativas e comportamentos e aumenta a responsabilidade no cumprimento dos deveres de todos os envolvidos. Pode parecer a parte menos interessante de discutir com o cliente, mas é absolutamente necessária para o sucesso do projeto.
  7. Trabalhar a partir de casa
    2020 veio trazer um novo desafio para muitas empresas, organizações e freelancers que é trabalhar remotamente a tempo inteiro. Quer dizer, para muitos freelancers essa até pode ser mais ou menos a sua realidade. Muitos freelancers por uma questão de opção ou até de custos prefere trabalhar em casa. Mas o que a crise pandémica veio obrigar é que se trabalhe exclusivamente em casa, o que significa que reuniões nas instalações do cliente, almoços de angariação de novos clientes ou trabalhar em esplanadas ou coworks deixou de ser possível.

E AINDA...

10 planos de ação

Com atividades e exercícios pensados para preparar a tua carreira e mentalidade como freelancer.

  • Questionário: «Estás preparado para trabalhar como freelancer
  • Questionário: «Para começares»
  • Atividades de autopromoção para realizares
  • Calculadora de despesas
  • Check list para começares como freelancer
  • O cliente ideal
  • Questionário «Uma relação difícil com um cliente»
  • Implementar os princípios de negociação
  • Simulação da utilização do protocolo de feedback
  • Elaborar um orçamento
Materiais extra de apoio
Que irão ajudar a organizar o teu negócio, aumentar a produtividade e a relacionares-te melhor com os teus clientes.
  • Apresentação do freelancer
  • Avaliação do cliente
  • Guião para “despedir” um cliente
  • Calculadora de despesas
  • Calendário fiscal dos trabalhadores independentes
  • Instruções para a criação de um website profissional
  • Minuta de contrato de prestação de serviços
  • Modelo de Briefing
  • Modelo de proposta comercial
  • Plano de negócios

Venda em exclusivo pela internet

UM GUIA PRÁTICO PARA

Começares a trabalhar como freelancer

Também disponível na Amazon

Livro em formato PDF, com formulários preenchíveis

    • Verifica o correto preenchimento do teu e-mail, pois o livro será enviado para o endereço que indicares.
    • Após clicares em "Comprar", aguarda até seres reencaminhado para a página de pagamento.
    • Se ocorrer algum erro ou surgir alguma dificuldade, contacta-me.

    A quem se destina este livro?

    Este livro dirige-se a todos os profissionais freelancers, em especial àqueles que se dedicam a áreas como design, fotografia, desenvolvimento de aplicações, websites ou software, escrita de conteúdos, gestão de projetos, entre outros. Outros profissionais também poderão beneficiar deste livro, mas deve avaliar com cuidado os conteúdos para realizar uma compra informada.

     
     

    Posso receber o dinheiro de volta?

    Embora a lei portuguesa, nos termos do previsto na alínea l) do art.º 17.º do Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14 de Fevereiro, determine que em virtude da natureza digital do livro seja considerada uma quebra de inviolabilidade e por isso impossível de proceder à devolução do valor pago, considero que a tua satisfação é o mais importante. Assim, será possível requerer o valor pago (do qual serão retiradas as taxas cobradas pelos serviços de pagamento) no máximo de 1 dia útil após a compra, apresentando uma razão da devolução. Mesmo com esta garantia, recomendo que faças uma compra informada esclarecendo as tuas dúvidas no formulário de contacto.